Entre os dias 30 de janeiro e 4 de fevereiro o DAFB – Coletivo de Diretora de Fotografia do Brasil ocupará a Cinemateca Brasileira. Acompanhando o lançamento da mais recente edição da Revista Filme Cultura e como parte do evento “Mulheres, câmeras e telas”, serão realizados cursos, oficinas e rodas de conversa pelo Coletivo de Diretoras de Fotografia do Brasil, promovido pela Cinemateca Brasileira e em parceria com os Estúdios Quanta.

Inscrições: https://goo.gl/forms/gyMp5PplvR3z9sFz1.

Não é nessário se inscrever para as rodas de conversas “Espaços e mercados possíveis” e “Imagens por mulheres”. Os ingressos serão distribuídos uma hora antes das rodas. Sujeito à lotação da sala.

 

Programação Completa

Terça-feira, 30/01

09h – Curso: Conceitos Básicos da Direção de Fotografia – 20 vagas.

Professora:
Julia Zakia – Formada em Audiovisual pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), com ênfase em direção e fotografia. Desde 2004, trabalha nas duas funções, alternadamente. Membra do DAFB.

 

13h – Curso: Conceitos aplicados às câmeras – 20 vagas

A oficina é voltada pra mulheres militantes que com eçam a se aventurar na fotografia para registrar os movimentos. Mulheres que, mesmo sem muita noção de fotografia, já operam na guerrilha câmeras próprias ou de ONGs, coletivos, etc. Partindo de conceitos básicos da fo rmação e captura da imagem, demonstrar tal conteúdo nas próprias câmeras das pa rticipantes, seja uma câmera DSRL, handycam ou mesmo uma câmera prosumer. Aferir os pontos fortes e pensar soluções para as limitações do próp rio equipamento.

Professoras: Bia Marques – Fotojornalista nos anos 1980, Bia Marques afastou-se da fotografia após a maternidade, tornando-se redatora de palavras cruzadas nos anos 1990. Em 2002, jogou tudo para o alto, ind o estudar Cinema na UFF. Hoje é diretora de fotografia, cineclubista e oficineira do Cinema Nosso e a Ação da Cidadania. Membra do DAFB.

Cris Lyra – É do interior e veio pra São Paulo para estudar cinema em 2006. De 2010 até ontem fez bastante assistência de câmera. Em 2016, fotografou seu primeiro longa-metragem e, desde então, devagar e sempre, segue na luta compondo imagens em movimento. Membra do DAFB.

 

Quarta-feira, 31/01

9h – Curso: Assistência de câmera – 15 vagas

O que é assistência de câmera, quais as funções, relações com outras áreas. Ética e postura de set. Realizaremos exercício prático de video assist . Indicado para iniciantes.

Professoras: Michele Diniz – Formada em Cinema e Realização Audiovisual em Florianópolis. Trabalha como assistente de câmera desde 2009 em cinema e publicidade. Membra do DAFB.

Gabriela Akashi – Formada em audiovisual com ênfase em fotografia pel a Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), atua como assistente de câmera desde 2012, principalmente em projetos de ficção (longas-metragens e séries televisivas). Membra do DAFB.

Karla da Costa – Atua desde 2000 no mercado cinematográfico, na e quipe de câmera, em longas e curtas metragens, séries de TV e documentários. Como Diretora de Fotografia, tem realizado trabalhos em documentários e pesquisas na utilização da fotografia e do cinema como recurso de estímulo à percepção e ao aprendizado em aulas de português para imigrantes e refugiados.

 

Quinta-feira, 01/02

9h – Curso: Iluminação – 15 vagas

O curso para iniciantes abordará os seguintes temas: Propriedades da Luz; Introdução ao Fotômetro; Introdução básica Hands on; Esquemas Clássicos de Iluminação.

Professoras: Emilia Sauaia – De volta a São Paulo depois de morar por sete anos em Nova Iorque, onde se especializou em direção de fotografia e trabalhou em longas-metragens, curtas, documentários, clipes e vídeos comerciais, muitos deles exibidos em festivais internacionais e mostras pelos Estados Unidos e pelo Brasil. Membra do DAFB.

Jessika Montanha – Estudou elétrica para audiovisual no Senai e hoje atua como assistente de elétrica e maquinária no cinema nacional. Trabalhou em dois longas e vários curtas. Nasceu em Brasília e vive em São Paulo. Membra do DAFB.

 

Sexta-feira, 02/02

9h – Curso: Workshop de logagem – 20 vagas

O curso para iniciantes abordará os seguintes temas: O que é logagem; Data Management; Backup; Hardware; SETups (pipeline/workflow); Pós-produção; Laboratório digital; Comercial.

Professoras: Laura Futuro – Trabalha com Coordenação de Pós-produção desde 2002. Atuou em produtoras como O2 Filmes, Los Bragas, Busca Vida Filmes, Gullane Filmes, Casa de Cinema Filmes, Big Bonsai, Chocolate Filmes, Biônica, entre outras, sempre focando em projetos d e Cinema e Televisão. Paralelamente, trabalha com artistas visuais que ac abam desenvolvendo linguagens imagéticas diferenciadas. Membra do DAFB.

Sofia Franco – Começou a atuar na área de pós-produção como assistente de intermediação digital na Quanta Post, em São Paulo. Entre 2015 e 2017, assumiu a direção geral da empresa. Durante esse período, trabalhou com projetos como “3%” (Netflix), “O hipnotizador” (HBO), “A vida secreta dos casais” (HBO), “Bingo: o rei das manhãs” (dir. Daniel Rezende), “Que horas ela volta” (dir. Anna Muylaert). Membra do DAFB.

 

Sábado – 03/02

9h – Curso: Como a cor pode contar uma história? Tratamento de imagem para audiovisual – 100 vagas

Color grading vs Color correction e a importância da presença e ausência da cor, e as possibilidades de tratamentos em pós-produção para agregar valor à imagem fotografada.

Professora: Samanta do Amaral – Formada em Rádio e TV pela Unesp. Em 2006, ingressa no mercado de pós-produção de imagem como colorista, sendo assistente de color grading nos Estúdios Mega, colorista no grupo Teleimage/Casablanca e colorista sênior e gerente de color grading na Cinecolor Digital do grupo Chile Films. Atualmente atua como colorista na equipe da DotCine. Membra do DAFB.

 

14h – Roda de conversa: Espaços e Mercados Possíveis – 104 vagas

Diretoras de Fotografia de diferentes segmentos se reúnem para discutir quais são os mercados possíveis de atuação hoje em dia.

Participantes: Aline Lata – Graduada em fotografia no Senac, trabalhou como assistente de câmera, fez cursos de roteiro, documentário e di reção de fotografia. Diretora e fotógrafa de filmes de moda e documentário. Em 2015, foi vencedora da categoria de melhor filme de beleza com Masqué, no Oslo Trend Film Festival. Em 2017, foi destaque da programação com o curta-metragem Obsession no Festival Internacional du Film sur le Handicap, em Cannes. É codiretora do documentário Rastro de lama, em fase de finalização.

Janice D’Avila – Formada em Cinema pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), trabalhou desde 1997 como assistente de câmera em diversos longas-metragens e comerciais. Diretora de Fotografia desde 2010, assina a foto de filmes como “Elena”, de Petra Costa; “O começo da vida”; de Estela Renner; Nunca me sonharam e “Tarja branca”, ambos de Cacau Rhoden; além de diversos filmes de branded content, comerciais para grandes marcas e séries para HBO, Netflix, NatGeo, UFC Channel e Globo. Membra do DAFB.

Julia Zakia – Formada em Audiovisual pela Escola de Comunicaçõ es e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), com ênfase em direção e fotografia. Desde 2004, trabalha nas duas funções, alternadamente. Membra do DAFB.

Fernanda Tanaka – Formada em Cinema e Vídeo pela Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo (ECA-USP), com especialização em Direção de Fotografia, foi assistente de câmera de grandes fotógrafos por 16 anos, tendo feito inúmeros comerciais e mais de 30 longas-metragens. Ganhou os prêmios de melhor fotografia em 2004 com o filme “Brincadeira”, no 4º Festival de Cinema de Varginha, e, em 2015, com o filme “Do meu lado”, no 10º Festival de Cinema e Vídeo dos Sertões. Membra do DAFB.

Fernanda Ligabue – Cinegrafista e documentarista formada em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Dirigiu o webdoc “Tapajós em transe” para a agência de jornalismo A Pública, e fotografou os documentários “O retorno da terra tupinambá”, produzido pela Repórter Brasil, e “Ano-luz”. Hoje trabalha como freelancer para diversas mídias independentes, ONGs e projetos relacionados a direitos humanos, educação ambiental e sustentabilidade. Membra do DAFB.

Mediação: Flora Dias

 

17h – Roda de conversa: Imagens por Mulheres – 210 vagas

O que discutimos? Como o fazemos? Por quê? As escolhas de quadro, mise-en-scène e comportamento da câmera podem espelhar uma experiência de corpo diante do mundo? Convidamos pesquisadoras, cineastas, curadoras, diretoras de fotografia e espectadoras para fazer essa discussão juntas. Elas experienciam o cinema de luta, o cinema comercial, o cinema pornô, o cinema autoral, o cinema místico, entre outros. Contrário à ideia de um olhar feminino comum a todas as artistas, o que queremos debater são as especificidades dos discurs os refletidos pelas imagens produzidas por elas. Portanto, pensar quest ões de gênero, etnia, classe, moral, a partir da experiência subjetiva da criação e também do contexto histórico-social das criadoras. Trata-se de partir da diversidade para estimular uma conversa em torno dos variados olhares e fazeres que constituem a relação das mulheres com o audiovisual. Este encontro está engajado também em estimular a ocupação de espaços e a inquietude do olhar frente a um cenário de desigualdade. Promover esse tipo de contato é frutífero para, juntas, pensarmos caminhos, possibilidades, e entendermos como é possível nascer empatia, parceria e esperança das diferenças. “Toda memória é subversiva porque é diferente. Todo projeto de futuro também”.

Barbara Felice – Pesquisadora e artista, investiga as relações de mulheres e LGBTs com as artes e as estruturas de poder constituintes da cultura produzida no Brasil.

Tainah Negreiros – Historiadora e pesquisadora de cinema dedicada à relação entre história, memória e cinema feito por mulheres.

Lila Foster – Pesquisadora e curadora.

Janaína Oliveira – Pesquisadora e curadora, é doutora em História e professora desta disciplina no Instituto Federal do Rio de Janeiro, onde coordena o Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígena (Neabi). É membro da Associação dxs Profissionais do Audiovisual Negro (APAN), além de idealizadora e coordenadora do Fórum Itinerante de Cinema Negro. Atualmente é professora visitante no Centro de Estudos Africanos na Universidade de Howard, em Washington D.C. nos Estados Unidos.

Thamires Santos – Realizadora audiovisual, ativista do movimento de Cinema Negro, integrando o coletivo Tela Preta, a A ssociação dxs Profissionais do Audiovisual Negro (APAN) e coorden adora da Rede de Cinema Negro. Graduanda em Cinema na Universidade Federal do Recôncavo da Bahia (UFRB), atua no Cineclube Mario Gusmão e tem vasta experiência em Produção Cultural e Produção de Cinema, tendo participado de curtas e longas metragens. Dirigiu “O dia que ele decidiu sair”, em 2015.

Nina Tedesco – Diretora de fotografia, professora da Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisadora dos imbricamentos entre gênero e audiovisual. Coorganizou o livro Feminino e plural: mulheres no cinema brasileiro. Membra do DAFB.

Patricia Para Yxapy – Realizadora audiovisual indígena da etnia Mbyá-Guarani. Mora na Aldeia Ko’enju, em São Miguel das Missões/RS, onde é professora desde 2006. Em 2007, cofundou o Coletivo Mbyá-Guarani de Cinema e hoje é a cineasta mulher mais atuante do projeto Vídeo nas Aldeias (VNA). Atualmente, está finalizando seu primeiro longa autoral.

Flora Dias – Diretora de Fotografia e diretora formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF). Atuante desde 2004, foi responsável pela direção de fotografia de longas-metragens, como “Sinfonia da necrópole”, de Juliana Rojas; e “Califórnia”, dirigido por Marina Person, entre outros. Como diretora, realizou o longa “O Sol nos Meus Olhos” e os curtas “Ocidente” e “Praia de Botafogo”. Membra do DAFB.

Lauren Zeytounlian – Antropóloga e arte educadora. Doutoranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Membro do Pagú – Núcleo de Estudos de Gênero – Unicamp e Numas – PPGAS/USP.

Carol Rodrigues – Diretora e roteirista do curta “A boneca e o silêncio” , que participou de festivais nacionais e internacionais, vencendo prêmios em São Paulo, Belo Horizonte, Portugal, Polônia e Índia. Integra a equipe da websérie “Empoderadas”. Além de se dedicar ao seu primeiro longa-metragem de ficção, Carol também é roteirista de séries para TV.

 

Domingo, 04/02

9h – Curso: Mulheres no Comando – Drone e Steadycam – 15 vagas

Curso prático dividido em 2 momentos: no primeiro, será abordada a montagem e calibragem dos estabilizadores de câmera RONIN MX e ZHIYUN CRANE e como usá-los para executar movimentos de câmera mais suaves. No segundo momento serão dadas noções básicas de segur ança no uso de drone , informações técnicas e configurações de voo para o drone DJI Mavic Pro seguido por um voo pelos arredores da Cinemateca.

Professora: Fernanda Ligabue – Cinegrafista e documentarista formada em Imagem e Som pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Dirigiu o webdoc “Tapajós em transe” para a agência de jornalismo A Pública, e fotografou os documentários “O retorno da terra tupinambá”, produzido pela Repórter Brasil, e “Ano-luz”. Hoje trabalha como freelancer para diversas mídias independentes, ONGs e projetos relacionados a direi tos humanos, educação ambiental e sustentabilidade. Membra do DAFB.

 

14h – MASTERCLASS com Heloisa Passos. 15 vagas

Produtora, diretora e premiada diretora de fotografia, Heloísa Passos é membra da Academia de Artes e Ciências Cinematográficas nos Estados Unidos. Como diretora de fotografia, foi premiada no Festival de Cinema do Rio, 2009 e 2016, Festival de Cinema de Gramado, 2002 e 2008, Sundance Film Festival, 2007, entre outros. “Construindo Pontes”, seu primeiro longa-metragem como diretora foi premiado no 50 ̊ Festival de Brasília de Cinema Brasileiro e estreou internacionalmente no maior festival de documentári o do mundo, no IDFA. Membra do DAFB.