23.03.2019 às 19h

IMAGENS POR MULHERES – DEBATE COM SUZANA AMARAL, CRISTINA AMARAL, FLORA DIAS E CARMEN GENARO

A mesa Imagens por mulheres reúne profissionais de diferentes atividades no cinema para uma conversa aberta ao público com a diretora Suzana Amaral, a montadora Cristina Amaral, a fotógrafa Flora Dias e a projecionista da Cinemateca Carmen Genaro.

A mesa integra a mostra Mulheres, câmeras e telas e será precedida pela sessão de Hotel Atlântico (2009), de Suzana Amaral.

Toda a programação tem entrada gratuita.

Carmen Genaro trabalha com audiovisual há 10 anos e é projecionista da Cinemateca Brasileira há 6. Realizou oficinas de audiovisual e cineclubismo na Oficina Alfredo Volpi. Participou de projetos de audiovisual, como os workshops Novos desafios para operadores cinematográficos em tempo de projeção digital. É casada e mãe de dois filhos.

Cristina Amaral é montadora formada pela Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo (ECA/USP). Trabalhou com grandes realizadores do cinema nacional. Entre seus numerosos trabalhos, montou o documentário Person, de Marina Person, Serras da desordem, de Andrea Tonacci e Falsa Loura, de Carlos Reichenbach. Viúva de Andrea Tonacci, coordenou com ele a produtora Extrema Produção Artística. Hoje é também gestora da obra do realizador.

Flora Dias é diretora e diretora de fotografia formada pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e pela École Nationale Louis Lumière (França). Como fotógrafa, desenvolve seu trabalho em curtas e longas desde 2009. Entre eles estão: O duplo, exibido na Semaine de la critique, Cannes, e Sinfonia da necrópole, ambos de Juliana Rojas; Califórnia, dirigido por Marina Person e A hora de matar, a hora de morrer, de Giovani Barros. Como diretora, realizou o longa O Sol nos meus olhos e os curtas Miragem, seleção da 22ª Mostra de Cinema de Tiradentes, Ocidente e Praia de Botafogo.

Suzana Amaral é diretora de TV, crítica de cinema, professora e cineasta. Formada em cinema em 1971 pela ECA/USP, realizou seu primeiro longa em 1985, baseado no romance homônimo de Clarice Lispector A Hora da Estrela. Realizou mais dois filmes: Uma vida em segredo e Hotel Atlântico. Durante os anos 1990 trabalhou como crítica de cinema para o jornal Folha de S. Paulo e lecionou na ECA/USP, onde ficou até 2001.